Ir direto para menu de acessibilidade.


Página inicial > Notícias > “Poesia na Roça” abre a programação do Arraial na Casa da Linguagem
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

“Poesia na Roça” abre a programação do Arraial na Casa da Linguagem

  • Publicado: Quarta, 13 de Junho de 2018, 12h15
  • Última atualização em Sexta, 15 de Junho de 2018, 17h23
  • Acessos: 422
imagem sem descrição.

Poesia, música, teatro e dança. Tudo isso você vai encontrar nesta quinta-feira, 14, na programação junina Roda Poética com a temática “Poesia na Roça” que a Fundação Cultural do Pará irá promover na Casa da Linguagem, a partir das 16h, com entrada franca.

Segundo Wilson Moraes, um dos organizadores do evento, a roda poética entra no clima festivo de junho. “Teremos apresentação de grupos de danças folclóricas, Pássaros da Terra e atrações musicais como o Forró do Norte e o grupo As Tamboiaras”, explica.

A Roda também traz resultados de oficinas realizadas na Casa da Linguagem. É o caso da oficina de canto coral e poesia, uma das três oficinas que irão se apresentar no evento. Cerca de 30 alunos irão cantar músicas nacionais de diversos estilos, sendo esta a primeira apresentação pública dos participantes de canto coral.

A instrutora Gilda Maia explica que o trabalho consiste em iniciar e nivelar os alunos, para só então definir como vai ser a apresentação. “Como temos uma turma variada, com idosos e jovens, iniciantes e veteranos, optei por um repertório que unissem a todos”, disse Gilda Maia. Foram realizados três módulos, desde fevereiro deste ano.

A instrutora conta que o número de participantes foi aumentando com o passar dos módulos, mostrando muito empenho e interesse dos alunos. “Começamos com 12 integrantes, hoje temos 30; No início só tínhamos um homem, agora são quatro. Muitos que entraram são amigos dos que já estavam fazendo a oficina”, contou.

Visto que o público é majoritariamente de idosas, Gilda incentivou os participantes a usarem o corpo na apresentação como forma de incentivo à aprendizagem e qualidade de vida. ”Porque o corpo age e grava o ritmo musical no cérebro, assim se aprende mais fácil. Algumas músicas eles nem cantam palavras”, explica.

Outra forma de aumentar a acessibilidade da oficina é o repertório selecionado, que conta com músicas exclusivamente nacionais. “A gente não deu título à apresentação, mas demos foco às composições brasileiras, pois facilitam a aprendizagem”, disse a instrutora.

Artes Cênicas - Ainda há duas oficinas de artes cênicas que farão apresentações, divididas em dois grupos. O “Grupo de Dança Folclórica” e o “Grupo de Pássaros da Terra – Homenagem ao poeta João de Jesus Paes Loureiro”. Quem comanda a atividade da dança folclórica é a instrutora Tatiane Nonato.

A oficina de dança aborda dois ritmos regionais, o conhecido carimbó e a dança bragantina retumbão, o objetivo é manter a cultura paraense em evidencia. “É importante que não tenha carimbo só em são João, que a gente possa dançar o ano todo”, disse a instrutora Tatiane Nonato. Ela conta que a procura pela atividade é justamente essa, conhecer a cultura regional. “Eu acho lindo quando falam que o que levou à oficina foi a vontade de aprender a nossa cultura”, conta.

A turma é majoritariamente feminina, porém, a faixa etária é diversa. “Tem de 14 até 50 anos, desde quem vai apenas se distrair até pessoas indicadas pelos CAPS”, disse a instrutora. Tatiane ainda conta que as alunas estão bastante animadas e colaborando com o processo de criação. “Elas tem muita energia e estão com bastante ansiedade. É um processo de troca, elas me ajudam a organizar a apresentação, o figurino, etc”, conta.

A instrutora realiza um trabalho de dois anos nas oficinas regulares e diz aprendeu tudo que sabe na FCP. “Eu sou cria do Curro Velho, tudo que sei aprendi pelas oficinas, no carnaval, festas juninas e Auto de Natal”, disse.

A ultima apresentação de resultado de oficinas fica por conta do grupo de Pássaros. A instrutora Tayres Pacheco conta que trabalhou bastante a teoria em suas aulas para que a prática ficasse bem refinada. “Estudamos contextos históricos, teatro jornal, teatro imagem, voz, dicção e outros”, disse.

Além disso, a base da apresentação é do autor João de Jesus Paes Loureiro. “A obra tem um contexto da Bella Époque, dos barões da borracha. Onde o Pássaro principal é uma representação da Amazônia, que está sendo caçado pelas suas riquezas”, explica Tayres.

Outro destaque é Ítalo, aluno autista que fará o papel do caçador. “Ele é um poeta incrível que escreveu todas as melodias que vai cantar. Vai ser muito emocionante”, disse a instrutora. Tayres e seus alunos estão trabalhando bastante para ter uma ótima apresentação.

A Roda Poética é um evento sazonal de resultado de oficinas da Casa da linguagem. Normalmente ocorre duas vezes por semestre e homenageia poetas da terra como Max Martins - além de datas comemorativas e históricas tais qual a Semana da Consciência Negra e as próprias Festas Juninas.

Serviço

“Poesia na Roça” – Roda Poética
Casa da Linguagem
Avenida Nazaré, 31
14 de junho
17h.

Atrações

Grupo Prata da Casa – Resultado oficina de Canto Coral
Grupo Dança Folclórica – Resultado da oficina de Artes Cênicas
Grupo Pássaros da Terra – Homenagem ao poeta João de Jesus Paes Loureiro
Performance “Chama Junho” – Gleyson Almeida
Grupo Tamboiaras – Percussão e voz
Grupo Forró do Norte

registrado em:
Fim do conteúdo da página